Modalidades de atendimento em Psicoterapia  

 

Psicoterapia Individual

                                   

É o tipo de psicoterapia  onde apenas o psicólogo e seu cliente se encontram a sós num ambiente propício que possa garantir o sigilo. Hoje já existe regulamentação do Conselho Federal de Psicologia para atendimentos realizados on line.¹ 

 

O acordo referente a quantidade e duração das sessões, vai variar conforme a abordagem psicoterapêutica seguida pelo profissional psicólogo. E o acordo referente a dias, horários geralmente se dá conforme necessidade e disponibilidade de ambas as partes (psicólogo e cliente).

 

Já em relação a valores e formas de pagamento, há uma tabela de honorários² disponibilizada pelo Conselho Federal de Psicologia, que comumente serve de base para o estabelecimento do valor de cada psicólogo. Variando conforme a proposta de atendimento.

 

Existem clínicas sociais que costumam propor um valor mais abaixo dessa tabela, a fim de tornar acessível o tratamento psicoterapêutico para pessoas que não podem pagar os valores praticados no mercado. Cada clínica social tem seus critérios para o enquadre da clientela a esta modalidade.

 

No Espaço Terapêutico Tania Vasconcelos, alguns profissionais se propõem ao atendimento em clínica social.

 

 

 

Psicoterapia de grupo

 

Entende-se  aqui, por  grupo um número maior que dois, ou seja, a terapia de grupo pode ser iniciada a partir de dois clientes e o número máximo de participantes é estipulado de acordo com cada profissional. A duração da sessão de psicoterapia grupal costuma ter um tempo de uma hora e meia e pode ser coordenado por um ou dois profissionais psicólogos.

 

Geralmente é feita uma entrevista individual com os interessados em fazer parte do grupo, e a partir desta entrevista, verifca-se a  possibilidade  e disponibilidade de inserção da pessoa num processo psicoterapêutico grupal, assim como também se esclarece as regras e os procedimentos desta modalidade de atendimento.

 

O grupo é uma forma de processo psicoterapêutico, em constante movimento que evidencia a forma de comunicação de cada pessoa com seu mundo pois é onde as relações se dão em tempo real.

 

Segundo Jorge Ponciano Ribeiro (1994): " O grupo se transforma num processo de cura, descobrindo, a cada momento, sua capacidade auto-reguladora e equilibradora, seu movimento intrínseco para totalidade, funcionando como matriz de mudança, em que cada um de seus membros colhe, na atmosfera grupal, força para soluções de seus conflitos, compreensão do mistério do outro e garantia de que ninguém é e está só neste universo."

 

RIBEIRO, Jorge Ponciano. Gestalt-Terapia: O processo Grupal: Uma abordagem fenomenológica da teoria do campo e holística.    São       Paulo. Summus, 1994. 

 

 

Psicoterapia de casal e família

 

A busca por esta modalidade de atendimento, geralmente vem impulsada por uma crise, advinda da dificuldade para se relacionar diante das diferenças, das mudanças repentinas e de ciclos na vida .  Atualmente, observa-se maior possibilidade para dialogar sobre as insatisfações e dificuldades, porém falar de mazelas nem sempre é fácil. E muitos casais e famílias se vêem  diante de impasses que impossibilitam não só o diálogo, mas também a percepção de novas formas para atuar.

 

Normalmente um dos membros do casal ou família, nota tal dificuldade e vai em busca de psicoterapia. Onde o psicoterapêuta atua como facilitador destas relações.

 

Nesta modalidade, o casal  ou a família se faz presente no campo psicoterapêutico e é acompanhado por um, dois psicólogos ou até mesmo por uma equipe  de profissionais psicólogos, isso depende de cada profissional e das possibilidades, portanto cada profissional tem sua forma de trabalhar com casais e famílias. A duração da sessão, normalmente é de uma hora. 

 

 

Psicoterapia infantil e de adolescente

 

A infância e adolescência são períodos de muitas transformações, sejam elas tanto em relação ao próprio corpo quanto ao seu lugar no mundo, começando pelos dilemas vividos nos grupos socias (família, escola, amigos) seguindo até as exigências de um mundo com informações velozes, possibilidades de comunicação e estabelecimento de relações cada vez mais diversos.

 

Tanta exigência, pode ser vista como grande obstáculo para a descoberta de formas criativas para lidar com tantas novidades, dificultando a aprendizagem e o desenvolvimento para se articular. Dificuldade essa que é vivida junto com a família e muitas vezes também com a escola. Toda criança e a grande maioria dos adolescentes, chega ao consultório trazida pelas mãos de um adulto. Assim ouvir ambos criança, adolescente e adultos que o circundam também é parte do processo psicoterapêutico com crianças e adolescentes.

 

O papel do psicoterapêuta é de ser um facilitador das relações, buscando suscitar novas perspectivas para atuação no mundo. 

 

O trabalho com crianças e adolescentes oferece um ambiente lúdico, pois através do ato do brincar, abre-se possibilidade não só para a formação de vínculos, mas principalmente para a descoberta de novas formas de comunicação.  Geralmente a criança não tem desenvolvido um nível emocional, linguistico e cognitivo suficiente para dar nomes as suas emoções, e a relação que o psicoterapeuta oferece através da brincadeira, é o caminho possível para manifestação dos seus sentimentos. O brincar é a forma natural de expressão da criança e de muitos adolescentes.

 

Este é um processo terapêutico que abre muito espaço para a família participar e a sua participação é de suma importância para o sucesso do processo.

 

 

 

¹Ver em : http://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2012/07/Resoluxo_CFP_nx_011-12.pdf

2http://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2013/12/Tabela-Honor%C3%A1rios-Psic%C3%B3logos-2013-CFP-FENAPSI.pdf

© Espaço Terapêutico Tania Vasconcelos.